Partir do princípio de que a melhor construção é a mais simples é quase um preceito filosófico. Afinal, até Occam no século XIII sabia disso.

Os barcos de fundo chato são a síntese da funcionalidade e da simplicidade e são constantemente remetidos a seus ancestrais, barcos robustos de serviços como a pesca e o transporte de cargas.  Até hoje é possível ver na concepção dos maiores navios e barcaças esse princípio sendo aplicado com sucesso.

Bevin's Skiff (Fonte: Small Boats Monthly)
Bevin’s Skiff (Fonte: Small Boats Monthly)

O fundo chato permite uma construção rápida, intuitiva e barata. Dispensa o uso de muitas máquinas e pode até ser feita por uma só pessoa, tão leve que pode ser o trabalho – dependendo, claro, do tamanho do barco. As versões construídas em compensado naval são hoje as mais populares, usando muito do método conhecido como ply glass, em um misto de fibra de vidro e resina epóxi.  O formato de trabalho é tão simplificado que dificilmente algum desavisado pensará em construir uma fôrma para produzir o barco em escala.

Echo Bay Dory Skiff rebocando uma pequena lancha (Fonte: Chase Small Craft)
Echo Bay Dory Skiff rebocando uma pequena lancha (Fonte: Chase Small Craft)

O fundo chato, é claro, não é a forma mais hidrodinâmica possível para um barco e não se espera ter uma máquina de regatas à vela ou à remo com um barco desses. No entanto, um barco de fundo chato pode navegar até com um motor de popa devido à generosa área de planeio que seu fundo confere. Ainda assim, seriam muitas as variáveis a se pensar para um projeto com essa intenção.

Esses barcos são excelentes remadores e a sua versatilidade costuma ser imbatível. São próprios para o encalhe em uma praia arenosa e sua robustez e o calado usualmente baixo o tornam uma excelente opção para transporte ou mesmo para o emprego como barco de apoio, rebocando outros barcos, até eventualmente maiores que ele, com destreza.

Render primário do Daysailer 14 (Fonte: BRANA)
Render primário do Daysailer 14 (Fonte: BRANA)

Se você quer conhecer um pouco da construção artesanal de um barco forte e versátil, aposte nessas “formigas” do mar. Pequenas, fortes e muito dispostas. Muitos projetistas de renome já apostaram suas fichas em projetos com essa característica. Vide o Echo Bay Dory Skiff, do Clinton Chase ou o Bevin’s Skiff, só para citar alguns. O próprio BRANA já desenvolve esse conceito em um dos projetos atualmente em composição, o Daysailer 14. Logo em breve os planos desse projeto estarão disponíveis para a construção amadora e poderão ser adquiridos em nosso site ou construídos durante uma das nossas aulas práticas. Fiquem ligados 😉

bradmin
About the author

1 Response
  1. Avatar
    Luís Medeiros

    Parabéns pela esclarecedora matéria.
    Fiz o curso de carpintaria de pequenas embarcações, ministrada no CVT da Pesca, Agricultura e Meio Ambiente – Gradim, SG/RJ.
    E o projeto de curso foi exatamente um barco de fundo chato (7 m) que nós construímos durante as aulas ( 200 hs de duração ).
    Este curso está momentaneamente inoperante.
    Mas por feliz coincidência, hoje eu conversei longamente por telefone com o Mestre Rômulo (Boaçu, SG/RJ), que foi o instrutor no curso e alguém que dificilmente sairá das melhores memorias de que teve a fortuna de ser seu discípulo.
    Mais uma vez, Parabéns e Muito Obrigado por tão feliz matéria.

    *A tempo: Mestre Rômulo também é conhecido como o “Alfaiate dos Barcos”!

Leave a Reply

Quais os softwares mais utilizados por projetistas de embarcações?